Coleção Nomadismos

A Coleção Nomadismos, coordenada por Renato Rezende, Teresa Arijón e Bárbara Belloc, tem como objetivo publicar textos inéditos no Brasil de importantes pensadores contemporâneos latino-americanos. A coleção conta com a parceria da editora Azougue no caso dos livros argentinos, e da editora Manantial, de Buenos Aires, que publica na Argentina o espelho da coleção com ensaios de artistas brasileiros.

cores-cobras

Cores cobras pincéis cães – Eduardo Stupía

Sou um leitor irregular, lacunar, inconstante e selvagem. Irregular, porque a alternância entre materiais nobres e não tão nobres, altos e baixos, beira a promiscuidade. Lacunar pelos pavorosos buracos que poderiam surgir na lista histórica de minhas leituras, era só alguém ter o trabalho de revê-la segundo o preceptivo dos livros transcendentais que devem ser [...]

fornicar-e-matar

Fornicar e matar e outros ensaios – Laura Klein

A mulher é um ventre. As ideias de que a essência da mulher é o útero e que a mulher está a seu serviço, que o útero é um animal vivo dentro de outro, que o Todo-poderoso construiu primeiro o útero e depois fez a mulher ao seu redor, nascem com o patriarcado mesmo e [...]

suturas

Suturas. Um Breviário – Daniel Link

Se existe uma literatura pop, essa literatura atravessa, como se à deriva, todas as categorias da subjetividade e inclusive categorias como a category e a literary fiction: uma literatura que é completamente estranha (ou melhor: que finge sê-lo) à competição entre arte e cultura, à guerra entre mercado e museu (ou universidade), aos processos de [...]

fala-poesia

Fala, Poesia – Tamara Kamenszain

Não é que mudem os nomes dos poetas que você lê, esses são sempre os mesmos. O que vai mudando é o modo de lê-los, acho que isso é que é, para mim, escrever crítica, um registro de leituras. Voltar sempre a essa família de escritores que leio cada vez de uma maneira diferente, esse [...]

amazonia

Amazônia & Co. – Rafael Cippolini

Com transe, não me refiro – não apenas – à consciência alterada, a este estado psicológico em que a experiência modifica a percepção e a noção de contexto. Me refiro, mais exatamente, ao trânsito, verbal e conceptual, de distintos estados de ficção nos quais nos encontramos submersos. É minha postura: não creio que esteja me [...]

a-pequena

A Pequena Voz do Mundo – Diana Bellessi

A experiência da poesia é nosso direito, não apenas no início de nossas vidas, mas também ao longo de todas as nossas existências. Uma experiência regeneradora da linguagem e da subjetividade de cada ser humano. Assim, uma educação autoritária, que marca a primazia do significado funcional mais que o sentido, ou uma indústria cultural e [...]

notas-disparos

Notas, disparos, sublinhados – María Moreno

“Não me recordo da época em que não lia. Deve ser porque as recordações misteriosas, reinvitadas vez ou outra enquanto se arrastam pelas décadas, e os relatos interessados (sedutores, vitimizadores, patéticos) costumam a abrir caminho pela amnésia dos primeiros anos antes de aprendermos a ler. Quantas vezes contei que minha mãe, pouco depois que comecei [...]

duchamp

O capitão Nemo e eu – Alfredo Prior

“Apenas quem viveu em idílio constante com a beleza, morrerá em seus braços. Os últimos instantes dos grandes mestres são, normalmente, tão harmoniosos e extasiantes como foi o resto de suas vidas. O cuida- do em estar sempre em consonância com a poesia do Universo faz com que estejam todo momento a ponto de entrar [...]

o-homen-mais

O homem mais portátil do mundo – Arturo Carrera

“O assombro, a via das sensações que anulam o homem para que seja unicamente essa voz cha- mada “criança”. Criança para atravessar os afetos, os preceitos e as sensações. Não escrevemos, atra- vessamos as cores, os sons, um ritmo, as formas. Escuto um poema que me espera como a uma voz, essa voz que muda [...]

as-intervencoes

Intervenções críticas – Josefina Ludmer

“Imaginemos o seguinte. Muitas escrituras do presente atravessam a fronteira da literatura (os parâmetros que definem o que é literatura) e ficam fora e dentro, em uma posição diaspórica: fora, mas presas em seu interior. Como se estivessem “em êxodo”. Continuam aparecendo como literatura e têm o formato livro (são vendidas em livrarias e pela [...]