2013, memórias e resistências – Camila Jourdan

A ânsia de destruir é também a ânsia de criar, disse certa vez o indomável anarquista russo Mikhail Bakunin, que nutria a elegância dos excessos e o amor pelas barricadas. O livro que está nas mãos do leitor é de uma libertária que narra, analisa, compartilha suas e outras estórias que já nascem históricas, em um rigoroso recorte anarquista diante de tantos outros que surgem dos chamados acontecimentos de 2013. Uma leitura insurrecionária, sem pudor de ser vista como tal, e que entende aqueles dias como revigoramento do anarquismo no Brasil.

Um Comentário to “2013, memórias e resistências – Camila Jourdan”
  1. Paulo Augusto
    06.03.2020

    Estudo social .


Deixe um comentário