Natali Tubenchlak: ecofeminismo e pornopolítica – Cláudio Oliveira

Entendo que se possa ler a obra da artista niteroiense Natali Tubenchlak essencialmente a partir do seu lugar de fala: o de uma mulher numa sociedade latino-americana e, mais especificamente, brasileira. Eu diria que é como uma expressão e uma explicitação desse lugar de fala que toda a sua obra é construída, desde os primeiros trabalhos até os atuais.
Esses trabalhos exprimem e explicitam esse lugar de fala, mostrando como a artista vê a si mesma e a sociedade à sua volta, mas também como ela e as outras mulheres são vistas a partir desse lugar. Podemos e devemos, portanto, falar de uma perspectiva não apenas feminina, mas também feminista para entendermos essa obra, já que ela reflete e problematiza o lugar das mulheres nessas sociedades, mesmo que reste ainda a pensar em
que sentido essa obra é feminista. A meu ver, trata-se, na obra de Natali Tubenchlak, de um feminismo com traços de ecofeminismo. E se eu puder ser um pouco mais preciso e antecipar o viés a partir do qual pretendo abordar a sua obra, eu diria tratar-se, no trabalho dessa artista niteroiense, de uma certa articulação entre ecofeminismo, erotismo e melancolia que, pouco a pouco, vai ganhando a forma de uma articulação entre política e pornografia, dando origem àquilo que eu chamei de pornopolítica.

Cláudio Oliveira